PORÍFEROS - Esponjas


1-Classificação:

Ainda que, sob certos aspectos, as esponjas sejam consideradas mais evoluídas que os protitas aceculares, representam, sem dúvida, o mais simples de todos os filos ou grupos animais. Este grupo pode ser reconhecido na classificação biológica como um filo do reino animal , o filo Porífera, ou como um sub-reino à parte, o Parazoa, assim denominado por serem muitos os indícios que nos fazem supor tratar-se de um grupo animal cuja linha evolutiva é cega, portanto fora do ramo principal da evolução.

2-Características Gerais:

A-Introdução:
As esponjas são classificadas como animais multicelulares inferiores, sem tecidos ou órgão especializados, de aspecto externo semelhante a certas plantas, sendo consideradas erroneamente como tal por alguns leigos.
- normalmente, vivem em colônias;
- a maioria é marinha ( poucos de água doce );
-animais invertebrados, com o corpo repleto de poros ( pequenos orifícios );
- por esses poros circula a água, de onde o animal retira seus alimentos ( algas e protozoários );
- um exemplar de tamanho de um punho fechado, filtra cerca de 2000L de água por dia;
-corpo em forma de bolsa, com: -ósculo: abertura superior para eliminação da água, substâncias desnecessárias e detritos.
- átrio: cavidade interna
-não possuem órgão especializados para digestão, respiração ou reprodução ( funções essas, desempenhadas por diferentes células );
- esqueleto formado principalmente por calcário e silício, que formam filamentos chamados espículas;
- algumas esponjas não são constituídas por espículas, mas por fibras macias chamadas espongina;
- reprodução: - a maioria é hemafrodita
-assexuada ( por brotamento )
- sexuada ( pouco freqüente )
- as esponjas raramente são comidas por outros animais pois a maioria tem esqueleto duro, solta excreções e odores desagradáveis;
-poderosa fonte de iodo para os humanos;
-tem grande poder de regeneração

B-Habitat:
As 4.000 esponjas estimadas que integram este grupo são todas aquáticas, aparecendo geralmente nas águas rasas dos mares ou em ambientes de água doce.
C-Alimentação, Respiração, Circulação, Reprodução:
A presença de poros ou aberturas na superfície do corpo é característica marcante do grupo, pelo que é freqüente a substituição do nome "esponjas" por "poríferos"
(Porífera- de porus = abertura e ferre = possuir ).
Em razão da ausência de órgãos ou tecidos especializados, as funções fisiológicas são desempenhadas independentemente pelas células. Por isso, as esponjas poderiam ser consideradas simples agregados ou amontoados de células, cuja forma e simetria são difíceis de serem definidas, ainda que exista uma pequena divisão de trabalho entre as células.
Desprovidas de partes móveis, todas as esponjas são fixas, vivendo presas quase sempre às rochas e outros substratos sólidos. Entre as células de uma esponja aparece um esqueleto interno de sustentação, constituídos por espículas calcáreas ou por fibnras orgânicas, ou ainda por ambos.
A reprodução neste grupo se faz sexuada ou assexuadamente.
A entrada e a circulação de água no interior de uma esponja representa, em última análise, o único meio significativo de aquisição de nutrientes, bem como excreção dos resíduos do catabolismo.
O alimento das esponjas é representado por organismos microscópicos do zoo e do fitoplâncton, além de partículas orgânicas que se encontram na água.
Os nutrientes que entram com a água são filtrados pelos colarinhos dos coanócitos e posteriormente digeridos nos vacúolos. Destas células, passam para os amebócitos, tendo sofrido ou não digestão, os quais os distribuirão para as outras células do animal. A inexistência de um sistema respiratório faz com que o oxigênio dissolvido na água seja aproveitado pelas células por um sistema de difusão através das membranas celulares. Os resíduos metabólicos são eliminados das células, assim como o gás carbônico, na cavidade ( espongioncelo ) , chegando ao exterior pelo ósculo.

Reprodução assexuada:

- regeneração: as esponjas são capazes de sofrer regeneração, a partir de fragmentos que se desprendem de seus corpos. Quando uma esponja se desintegra, por ação mecânica ou casual, "brotos", ou massas de amebócitos são capazes de originar uma nova esponja.
- gemulação: nas esponjas de água doce, aparecem grupos de células no mesênquima, que funcionam como gemulas de reprodução. Cada gêmula é aglomerado de amebócitos envolvidos por uma dupla membrana e espículas, permanecendo assim em estado latente. Nas condições propícias, os amebócitos eclodem por uma abertura existente na dupla membrana da gêmula, reorganizando uma nova esponja.

Reprodução sexuada: na reprodução sexuada, os gametas são originados a partir de amebócitos modificados. Em sua maioria, as esponjas são hemafroditas. O óvulo , que é sempre retido dentro do genitor, quando fecundado no mesênquima, dá origem a uma blástula móvel ( flagelada ), que se dirige para o exterior, fixando-se ao substrato e originando uma nova esponja.
Cabe lembrar que a fecundação é do tipo indireta, uma vez que o espermatozóide não toca diretamente o óvulo. Nas esponjas calcáreas, o coanócito capta o espermatozóide, em torno do qual se forma um vacúolo denominado espermacisto. O coanócitoperde seu flagelo, e o colarinho, desprende-se, e por meio de movimentos amebóides, aproxima-se do óvulo, inoculando o espermatocisto

0 comentários:

Postar um comentário