Flor


Flor, órgão reprodutor de certas plantas (Angiospermas), que produz os frutos, os quais, por sua vez, encerram as sementes.

A flor é um ramo terminal que consiste em um talo modificado: o eixo floral ou receptáculo. O eixo floral tem entre um e quatro tipos de apêndices especializados ou folhas modificadas, geralmente dispostos em verticilos nas flores mais evoluídas e em espiral nas mais primitivas. A flor pode ser bissexuada, hermafrodita ou andrógina, se tiver os órgãos dos dois sexos; unissexuada monóica, quando há flores de um sexo num pé e do outro sexo em outro; e assexuada, quando não tem órgãos sexuais.

Numa flor típica, o verticilo externo ou cálice é formado por várias sépalas. O verticilo seguinte, o androceu, agrupa vários estames, que produzem nas anteras o pólen necessário para a reprodução. O verticilo mais interno é o gineceu, formado por vários carpelos, em muitos casos soldados em um pistilo. Cada carpelo contém pelo menos uma placenta, na qual estão os óvulos ou sementes imaturas. Cálice e corola formam em conjunto o perianto. A posição relativa das peças florais é variável. Numa flor hipógina, as sépalas formam o verticilo inferior, seguido, em ordem ascendente, por petálas, estames e pistilos. Numa flor perígina, o cálice envolve o gineceu e as demais peças florais se inserem na borda. Numa flor epígina, a corola é fixada no gineceu e as demais peças florais se encontram na parte superior do ovário.

Angiospermas, nome comum da divisão ou filo que contém as plantas com flor, que constituem a forma de vida vegetal dominante. Pertencem a esse grupo quase todas as plantas arbustivas e herbáceas, a maior parte das árvores, salvo pinheiros e outras coníferas, e plantas mais especializadas, como suculentas, epífitas e aquáticas.

O elemento mais característico das angiospermas é a flor, cuja função é assegurar a reprodução da planta mediante a formação de sementes. Estas são formadas a partir de um óvulo envolvido por um ovário que, conforme cresce a semente fecundada, se desenvolve até converter-se em fruto.

No final de 1998, foram encontrados na China os resíduos fósseis da mais antiga angiosperma que se conhece. Com 140 ou 150 milhões de anos, a planta, que recebeu o nome científico de Archaefructus liaoningensis, pertence ao grupo das angiospermas do período jurássico; tem a mesma idade dos dinossauros e antecede em 25 milhões de anos a primeira planta com flor de que se tinha notícia até então.

Classificação científica: Angiospermas é a denominação comum da divisão Magnoliophyta. O grupo das Angiospermas divide-se em duas classes: Magnoliopsida e Liliopsida, conhecidas como dicotiledôneas e monocotiledôneas.

O gênero Gardenia agrupa várias árvores e arbustos perenifólios cultivados por suas flores atraentes e fragrantes. São espécies nativas de regiões tropicais e subtropicais e costumam ser mantidas em estufas; poucas são bastante rústicas para resistir ao ar livre em lugares de verões quentes.

O jasmim forma parte de um grupo de arbustos e trepadeiras caducifólias e perenifólias de caule lenhoso próprio de regiões temperadas e tropicais. É cultivado por suas flores, atrativas e fragrantes. Gosta de sol e de solos férteis e bem drenados.

A flor da corticeira, árvore também chamada de seibo, é a flor-símbolo do Uruguai. Sua forma semelhante à crista de um galo deu origem ao nome científico da planta, Erythrina cristagalli.

O fruto de uma planta é o ovário maduro e engrossado. O grão de pólen (gameta masculino, transportado da antera de uma flor para o estigma de outra, geralmente por um inseto) germina no estigma, cresce ao longo do estilo e penetra no óvulo, onde pode ser fecundado. Se a fecundação ocorre, o óvulo se transforma em semente e o receptáculo que protege o ovário se avoluma e forma a carne ou polpa do fruto.

A margarida é uma vivaz de crescimento lento; alcança até 20 cm de altura e a flor tem 2,5 cm de diâmetro. Algumas variedades são cultivadas como ornamentais.

A flor é formada por até quatro tipos de folhas modificadas. As sépalas, que envolvem o botão, são as partes mais externas. Em seguida vêm as pétalas, que atraem os polinizadores, tanto pela cor como pelo cheiro segregado por certas glândulas. Mais internamente encontram-se um ou dois círculos de condutos produtores de pólen, que são os órgãos de reprodução masculinos. Os pistilos, formados por estigma, estilo, ovário e óvulo, são as peças mais internas. O carpelo recebe o grão de pólen e, se a fecundação ocorre, forma o fruto.

As plantas com flor se valem do vento, dos insetos, das aves, dos morcegos e outros mamíferos para transferir o pólen da parte masculina para a parte feminina. Muitas espécies vegetais evoluíram em estreita associação com certos animais que asseguram a polinização; na floresta tropical há plantas polinizadas exclusivamente por uma determinada espécie de inseto, ave ou morcego. As abelhas procuram o alimento que as flores oferecem – o doce e açucarado néctar – e o pólen, uma fonte de proteínas, vitaminas e minerais. Quando uma abelha mete a cabeça nas glândulas de néctar na base da flor, o pólen gruda no seu corpo ou nas suas patas traseiras. Quando a abelha visita a próxima flor, o pólen geralmente cai nos órgãos desta última. É assim que se dá a polinização cruzada.

Polinização, passagem do pólen dos estames ou estruturas masculinas da flor para o estigma do pistilo, que é a estrutura feminina. Quando o pólen passa do estame para o estigma da mesma flor, fala-se em autopolinização ou autogamia; a polinização cruzada ou alogamia é a passagem do pólen dos estames de uma flor à outra da mesma planta (geitonogamia) ou a uma planta diferente da mesma espécie (xenogamia).

O vento é o agente mais comum da polinização cruzada (polinização anemófila). As abelhas e outros insetos, os pássaros e os morcegos também são portadores de pólen.

O texto abaixo foi extraído de uma das muitas obras que Augusto Ruschi, o maior especialista brasileiro em beija-flores, escreveu sobre essas aves da família dos Troquilídeos.
Observações biológicas e etológicas
A primeira influência importante dos beija-flores no equilíbrio biológico da natureza se relaciona com a sua função de agentes polinizadores de um grande número de espécies botânicas das florestas, cerrados, caatingas, campos e scrubs. espécies botânicas que são polinizadas unicamente por certos beija-flores e, por isto, se dizem plantas troquilógamas. Estão neste caso muitas Campanuláceas, Esterculiáceas e Bromeliáceas e outras. (…) A polinização pelos beija-flores pode ocorrer com a interferência do bico, da língua, da cabeça, das asas, do peito, da cauda ou do abdome. Outro papel de relevo que desempenham na natureza está relacionado com sua predileção alimentar protéica, quando constituída de dípteros dos gêneros Culex, Anopheles e Simulum, pois, os primeiros são mosquitos transmissores da filariose, os segundos, da febre amarela e da malária, e os últimos, da oncocercose, também denominada cegueira dos rios, cujo vetor é o borrachudo. (…)
Alimentação
Os beija-flores alimentam-se, em sua maior parte, de carboidratos. A proporção é superior a 95%. Retiram-nos do néctar das flores e muitas vezes juntamente tomam certa porção de pólen, além de proteínas, que, como ficou dito, buscam nos insetos que capturam, quer nas flores, quer diretamente no ar (…). Alguns ingerem por dia até 30 vezes seu peso em alimentos; outros, 6 a 8 vezes. (…)
Longevidade e migração
O beija-flor em natureza sobrevive entre 5 e 8 anos, enquanto em cativeiro certas espécies podem viver até 16 anos. A razão está em que normalmente em vida livre, após o quinto ano, muitas espécies se tornam mais lentas e são mais facilmente capturadas por seus predadores, como as cobras, o caburé-do-sol, certos marimbondos, alguns camaleões e ainda aranhas-caranguejeiras da mata. (…)
Postura, incubação e seqüências
A incubação vai de 13 a 17 dias, sendo a maioria de 14 dias, isso para espécie do Brasil. (…) Só a fêmea cuida do ninho, da incubação e da prole. O filhote defeca fora do ninho desde o primeiro dia, pois, ejeta excremento líquido, virando a parte cloacal para o alto, e, como uma ampola sob pressão, solta o jato que vai jorrar longe. (…)
Banho
Os beija-flores tomam banho várias vezes ao dia (…). Alguns se banham no orvalho das folhas ou flores, como os Lophornis; outros, nas gotículas de água das cascatas, como os Colibri; outros mergulham o corpo totalmente na água, sendo que alguns chegam mesmo a percorrer, mergulhados, distâncias de mais de 20 cm, como certas espécies dos gêneros Thalurania e Topaza. Os Phaethornis se atiram à água e levantam vôo do mesmo local; outros, como algumas espécies do gênero Augastes, abrem a cauda em leque, deslizam na água, com a cauda servindo de flutuador (…), fazendo a água escorrer pelos lados da cauda. (…)
Banho de sol
É também diário. Eriçam as penas, fazem movimentos com a cabeça voltada para trás, a fim de que o sol penetre pelos espaços do mento e do peito e perpassam os pés e as unhas pelo bico, coçando com insistência, a fim de retirar os parasitos, como certos malófagos. Também costumam fazer o mesmo, eriçando as penas, abrindo a cauda e as asas, para tomar banho de chuva.

0 comentários:

Postar um comentário