Segunda fase da Unesp tem questão de física com problemas e prova de filosofia difícil

Professores ouvidos pelo UOL Vestibular elogiaram as provas do primeiro dia da segunda fase do vestibular 2012 da Unesp (Universidade Estadual Paulista), mas afirmaram que uma questão de física tinha problemas e que a prova de filosofia estava muito difícil.


O item 19 da prova de física, segundo os professores, estava em um número fornecido no gráfico da questão (sobre um jogo de basquete). “Resolução excessivamente difícil”, afirma Alberto do Nascimento, do Anglo. “A gente imagina que o examinador tenha se equivocado. Não precisa anular a questão. Só ficou muito mais difícil”, diz Ricardo Helou, do Objetivo.

Já a prova de filosofia foi considerada bastante abrangente e, por isso mesmo, difícil. “Complexa, eu diria”, afirma Vera Lúcia Antunes, do Objetivo. “Foi uma prova mais difícil, mais densa, precisava ter conhecimento de vários conceitos. A gente pode falar que filosofia e sociologia foi de media a alta complexidade”, diz Marcelo Dias Carvalho, coordenador do Etapa.

Nas provas de ciências humanas, houve críticas à pouca abrangência dos temas –muito provocado, afirmam os professores, pelo número baixo de questões. “As de humanas foram mais simples, no caso de historia e geografia. Um aluno medianamente preparado conseguia ir bem”, afirma Carvalho. “Geografia foi uma das fáceis”, diz Vera Lúcia.

Já os testes de ciências exatas foram considerados de dificuldade mediana. “A prova de matemática teve abrangência pequena e com qualidade [de questões] normal”, diz Nascimento, do Anglo. Os professores acreditam, no entanto, que química tenha sido um pouco mais fácil. “Mediana para baixo”, afirma Vera Lúcia. “Enunciados curtos, não deve ter trazido problemas”, conta Carvalho.

Para os alunos, exatas foram mais difíceis

Candidatos que realizaram o primeiro dia da segunda fase da Unesp (Universidade Estadual Paulista), neste domingo (18), elegeram as questões do caderno de ciências da natureza e matemática como as mais complicadas, exceto biologia. Para os vestibulandos ouvidos pelo UOL, a prova de ciências humanas estava “mais fácil”.

Matheus Bio Miranda, 18, quer entrar no curso de biologia marinha e classificou “as questões de humanas como bem fáceis e exatas bem difíceis”. “Do segundo caderno [ciências da natureza e matemática] eu só consegui fazer biologia, o resto não achei uma resposta concreta”, disse. O vestibulando contou que tinha uma questão de matemática que estava até fácil, mas devido o nervosismo não conseguiu responder: “Na hora eu joguei tudo para o ar, sou muito ruim de cálculo”.

Para Renê Magalhães, 21, que presta para biologia marinha, o segundo caderno também foi o mais difícil. “Deixei umas cinco questões sem responder”. Segundo ele, as questões de geografia e filosofia foram as mais fáceis. “Filosofia era mais interpretação”, afirmou.

“No geral, foi mais difícil por ser dissertativa. Mas, foi menos cansativa do que a primeira fase. Não teve muita enrolação de texto, foi mais objetiva”, disse Lucas Yusei, 17, que presta para engenharia elétrica e foi o primeiro a sair do local de prova em que a reportagem estava. Ele achou que o exame teve pouca matemática e muita história e filosofia. “Estou esperando que amanhã seja mais fácil. Hoje, deixei de responder três questões”, contou.

Já o problema maior para Laura Viana, 18, foi a confusão que ela fez com o conteúdo de cada dia de prova. “A prova não estava tão ruim, mas eu levei um susto, porque achei que hoje era português e redação, troquei tudo. Quando olhei a prova, quase chorei”, contou a vestibulanda que tenta uma vaga em ciências biológicas. Passado o susto, ela diz que a prova não estava tão complicada: “Caíram conceitos básicos em cada matéria”, afirmou.

Amanhã (19), os candidatos deverão responder 12 questões do núcleo linguagens e códigos (elementos de língua portuguesa e literatura, língua inglesa, educação física e arte) e também fazem uma redação.



Fonte: UOL

0 comentários:

Postar um comentário