Artrópodes


Um dos grupos sistemáticos que alcançaram maior evolução no reino animal foi o dos artrópodes. Sua variedade de formas e dimensões -- compreende seres de poucos décimos de milímetro, como certos ácaros, e espécimes que atingem dois metros, como alguns caranguejos tropicais -- atraem a atenção dos que estudam a evolução dos animais e sua adaptação ao meio ambiente.

Características gerais

 Artrópodes são animais invertebrados caracterizados por possuir patas e apêndices articulados e o corpo formado de segmentos ou anéis. Uma cobertura geralmente espessa, chamada exosqueleto, reveste o corpo, proporcionando uma espécie de proteção articulada aos músculos e órgãos. As fibras musculares são estriadas. O aparelho mastigador e os órgãos sensoriais localizam-se na cabeça. No caso dos artrópodes mais simples, o corpo tem duas partes: cabeça e tronco (miriápodes). O tronco pode se apresentar dividido em tórax e abdome (insetos). A cabeça e o tórax podem também juntar-se, formando o cefalotórax (aranhas e alguns crustáceos). Os artrópodes são os únicos animais, entre os invertebrados, que além de possuírem corpo e pernas articulados, condição capaz de garantir sua existência em qualquer tipo de habitat, desenvolveram asas ao longo de sua evolução, para se deslocarem também pelo ar. Essa é uma das razões para sua presença em qualquer parte do planeta. O ramo dos artrópodes (na verdade, um filo) inclui aproximadamente oitenta por cento das espécies animais conhecidas. Outra razão de sua onipresença é a sua insuperável capacidade de adaptação ao meio.
Muda e crescimento. Para crescer, o artrópode precisa perder sua armadura exterior, que só permite o crescimento dentro de limites muito estreitos. Essa mudança ocorre quando o animal abandona o exosqueleto antigo, saindo por uma fenda longitudinal formada ao longo do dorso ou da parte lateral do corpo. Enquanto esse revestimento é novo e ainda não enrijeceu, o animal poderá crescer mas, quando endurece, o crescimento pára até a próxima muda. Se o esqueleto exterior ainda está flexível, o animal fica desprotegido e, geralmente, se esconde.
Musculatura e movimento. Os músculos de movimento são estriados e se inserem nas dobras internas da película próxima às articulações. A maior parte dessa musculatura é longitudinal e segmentada. Raramente se desenvolvem músculos circulares, enquanto há abundância de músculos oblíquos, dorsoventrais, superficiais e profundos, constituindo um conjunto complexo. O sistema muscular associa-se ao esqueleto para produzir movimento e locomoção, como nos vertebrados. A diferença é que, nos artrópodes, os músculos se prendem à superfície interna do esqueleto externo (exosqueleto) e ficam por dentro dele, e nos vertebrados os músculos se prendem à superfície externa do esqueleto (interno) e o envolvem.
Órgãos e funções. O aparelho circulatório não é fechado e compõe-se de largos espaços vasculares, as lacunas hemocélicas, que banham os diversos órgãos. O sangue é enviado por um coração dorsal às principais artérias que, quase sempre, terminam nas lacunas. De lá, o sangue volta e entra no coração, onde entra por dois orifícios (óstios). Estes se abrem para receber o sangue e depois se fecham, enquanto o coração se contrai e força o sangue a retornar às artérias. Vasos finos, capilares, não existem. O sangue, conforme a presença e natureza dos pigmentos respiratórios -- como hemoglobina e hemocianina, dissolvidos no plasma --, pode ser verde, azul, vermelho ou incolor.
O aparelho respiratório, na maioria dos artrópodes terrestres, funciona por meio de traquéias, condutos reforçados por anéis. Esses canais se ramificam em tubos finos, cheios de ar, que partem da superfície do corpo e terminam junto às células dos tecidos.
O aparelho digestivo se compõe da boca, que se prolonga na faringe; do intestino médio, que atua na absorção dos alimentos; e do intestino terminal, que absorve água e possibilita a consolidação das fezes. Quanto à excreção, os artrópodes possuem celomodutos, canais de origem mesodérmica, que comunicam as cavidades com o exterior. São exemplos de órgãos excretores a glândula antenar e maxilar dos crustáceos, e os rins labiais ou maxilares dos diplópodes. As substâncias excretadas também variam.
O sistema nervoso consiste em um par de filamentos ventrais com duas protuberâncias ganglionares em cada segmento, que se ramificam para os órgãos e membros. O cérebro é constituído de três regiões: a anterior, que inerva os olhos; a segunda (ou deutocérebro), que recebe os nervos das antenas (primeiro par de antenas nos crustáceos) e contém centros de associação; e a terceira (tritocérebro), cujos nervos vão para o lábio inferior, paracotrato digestivo, quelíceras e segundo par de antenas, no caso dos crustáceos. O motivo da concentração de órgãos importantes na cabeça dos artrópodes (cefalização) é a presença de órgãos sensoriais bastante desenvolvidos, como os olhos e as antenas. Muitos artrópodes têm olhos simples, outros compostos e outros ainda, entre os quais numerosas espécies de insetos, olhos de ambos os tipos. É imensa a variedade de órgãos dos sentidos nesses animais: supera a de todos os outros invertebrados e tem extraordinárias especializações, como no caso das abelhas, que, por movimentos rítmicos do corpo, captam e transmitem informações a respeito da distância e direção da colméia e do alimento. Órgãos especiais percebem peso, tensão etc. Outros órgãos medem a intensidade da luz, como os olhos, ou captam informações tácteis, olfativas ou vibratórias, como as antenas.
A reprodução não se dá de forma invariável, pois os ovos, em algumas espécies, são fertilizados dentro do aparelho genital feminino e, em outras, fora dele. Há dimorfismo sexual, mas é significativo o número de casos de hermafroditismo. Muitos se acasalam por meio de apêndices transformados. Em geral, há uma única abertura genital externa, mas podem existir duas. Nas formas terrestres, a fecundação é sempre interna; nas aquáticas, pode ser externa.

CLASSIFICAÇÃO

De modo geral, as 11 classes de artrópodes podem ser englobadas em três grandes grupos: (1) trilobitas -- aquáticos, de antenas pré-orais e apêndices birremes, iguais em todos os segmentos (todos fósseis); (2) quelicerados -- sem antenas, com um par de apêndices preênseis antes da boca, as quelíceras, e um par de apêndices táteis, os pedipalpos: euripterídeos (fósseis), xifosurídeos, picnogonídeos e aracnídeos; (3) mandibulados -- com um ou dois pares de antenas e um par de mandíbulas: crustáceos, quilópodes, diplópodes, hexápodes, paurópodes e sínfilos.
Os quilópodes, diplópodes, paurópodes e sínfilos formavam antigamente a classe dos miriápodes, que os zoólogos atuais não mais reconhecem.
Artrópodes como agentes de doença. Vários artrópodes são agentes causadores de doenças e portadores de microrganismos patogênicos.
Ácaros. O sarcoptes scabili é o ácaro responsável pela sarna humana (escabiose), doença de pele cujas lesões se localizam nas axilas, aréolas mamárias, abdome, nádegas, pênis, cotovelo, punho, raramente pescoço e rosto. A coceira é sua principal manifestação e aparece, geralmente, em pessoas com precários hábitos de higiene. É doença bastante contagiosa. Nos indivíduos nunca atingidos antes, leva um mês para se manifestar. Nos reincidentes, progride rapidamente.
Piolhos. As infestações cutâneas causadas por piolhos (muquiranas) são chamadas pediculoses. Existem três tipos: (1) do couro cabeludo, provocada pelo Pediculus capitis: seu principal sintoma é a coceira no couro cabeludo, na região occipital; as fêmeas do parasita depositam ovos (lêndeas) que se fixam nos cabelos por meio de uma substância gelatinosa; às vezes, o parasita migra para os supercílios e pêlos do tórax e das axilas; (2) do corpo, produzida pelo Pediculus corporis: seus principais sintomas são coceira e pequenas escoriações lineares cobertas de crostas hemorrágicas; e (3) do púbis, causada pelo Phthirius pubis, vulgarmente conhecido como "chato": embora prefira localizar-se na região pubiana, o P. pubis pode alcançar as axilas, o bigode, os cílios e supercílios e, mais raramente, os cabelos; de corpo achatado, agarra-se aos pêlos e introduz firmemente a cabeça no orifício do folículo piloso, tornando-se difícil retirá-lo daí; deposita suas lêndeas nos pêlos; o contágio dessa pediculose ocorre, principalmente durante o ato sexual, mas também pode ocorrer em banheiros e privadas; seu sintoma é a coceira intensa.
Pulgas. São comuns as lesões cutâneas produzidas por pulgas, como a do cão, a do gato e a do rato. Esta última é o mais temível transmissor da peste bubônica.
Bichos-de-pé. O Sarcopsylla penetrans e o Tunga penetrans, comuns nos meios rurais, causam a sarcopilose e a tungíase, infecções cujos sintomas são coceira e dor, e que causam pequenos abscessos.
Moscas. A mosca doméstica (Musca domestica) facilita a disseminação da febre tifóide. As larvas (berne) das moscas (Dermatobia hominis) e das varejeiras (Callitroga hominivorax) produzem miíase ou bicheira no homem e nos animais. A aplicação de um simples pedaço de toucinho atrai a larva para fora.
Carrapatos. São parasitas de animais, comuns no meio rural.
Barbeiros. Hematófagos de hábitos noturnos que se abrigam nas frestas das casas de pau-a-pique e são vetores do Trypanosoma Cruzi, causador da doença-de-chagas.
Percevejos. Esses pequenos artrópodes abandonam, à noite, os esconderijos e saem em busca de seu alimento -- o sangue do homem e dos animais, que sugam através da pele; provocam diversos tipos de lesões cutâneas.
Mosquitos. A variedade conhecida por "borrachudo" ataca principalmente as pernas do homem, produzindo infiltração dolorosa e prurido muitas vezes insistente. O mosquito-pólvora tem picada muito pruriginosa. Dentre os culicídios, há os que transmitem a malária, a febre amarela e a filariose.
Aranhas. Algumas espécies são nocivas ao homem. A picada das aranhas dos gêneros Latrodectus e Lycosa é responsável pelo aparecimento de edemas e petéquias. As ulcerações demoram a cicatrizar e, em certos casos, como o da viúva-negra (Latrodectus mactans), podem ser mortais.
Escorpiões. Sua picada tem conseqüências graves, pode provocar náuseas, torpor, convulsões, taquicardia e até a morte.
Centopéias. A picada desses artrópodes causa eritema ou edemas discretos, com intensa dor.
Vespas, abelhas e marimbondos. Sua picada causa dor forte, podendo produzir outras reações gerais, como choque anafilático.
Taturanas. Suas larvas produzem eritema vivo, com ardor intenso; regride em três dias.
Cantáridas. Coleópteros que provocam placas pouco edemaciadas, mas muito pruriginosas. No Brasil, o Paederus brasiliensis e o P. fuscipes são os responsáveis por essas manifestações.

0 comentários:

Postar um comentário