O que Steve Jobs tem a ver com o Brasil? A Geografia responde

Os temas de atualidades são um bom ponto de partida para os estudos e a Geografia é uma disciplina propícia para se estabelecer relações entre conceitos e fatos cotidianos. Neste caso, o tema circuitos de produção mundial coloca o fenômeno da indústria de tecnologia e especificamente a Apple de Steve Jobs neste caso.
A instalação da fabricante taiwanesa Foxconn no Brasil, neste ano, para produção do iPad é um assunto propício ao estudo da globalização financeira e produtiva, a divisão territorial do trabalho e da produção, além da geografia das redes, que trata dos fluxos materiais e imateriais na globalização. A dica é da professora Maria Aparecida de Jesus Sousa, do Colégio Meritum.
ado, existe população com fome, dependendo de ajuda humanitária, na região”, comenta.
Quanto à indústria, a professora destaca parceria entre Brasil e China, o PAC do governo federal e o grupo dos BRICs – Brasil, Rússia, Índia e China, como pontos de atenção.
A dimensão cultural na globalização e o meio ambiente e os recursos naturais nas relações internacionais também entram nesta matéria.
Calcular, ler e escrever
Depois de aproveitar uma notícia recente de impacto para iniciar a semana de estudos, voltamos ao básico da vida escolar: contar, ler e escrever.
O estudo de áreas das figuras planas importantes (triângulos, quadriláteros notáveis, polígonos regulares e figuras circulares), encerra apropriadamente o conjunto de temas de geometria plana, em Matemática. “Este conteúdo específico dá flexibilidade aos examinadores no modo de propor as questões. Eles podem envolver semelhança e congruência, por exemplo”, afirma o professor Marcelo Carvalho, do Etapa.
Segundo ele, se o candidato domina bem as principais expressões para triângulos, conseguirá resolver com desenvoltura também as questões sobre quadriláteros e polígonos. “Quanto a círculos, uma dica é calcular a diferença entre áreas”, comenta.
Em Português, regência verbal e nominal são importantes para a elaboração de textos dentro dos padrões da norma culta, de acordo com a professora Celia Passoni, do Etapa. “São fundamentais para uma redação de bom nível linguístico. Poucas vezes aparecem questões específicas sobre esses tópicos”, afirma.
raens, como dos franceses e portugueses”, afirma.
Ela avalia que os vestibulares geralmente privilegiam os escritores brasileiros, sendo raras as aparições de poetas portugueses desse momento. “Os simbolistas, por terem uma linguagem mais sofisticada e uma temática mais complexa, não costumam ser pedidos e quando o são, mesmo assim raramente, é na parte de interpretação de texto.”
Ondas sonoras
Em Física, a propagação do som e outras características, parte da ondulatória, é assunto que não aparece com frequência nos grandes vestibulares. “Para se propagar, o som precisa de um meio”, alerta o professor Alexandre Lopes Moreno, do Etapa, aludindo ao erro dos filmes de ficção científica em que as naves fazem barulho ao se mover no espaço. “Um exemplo antigo, que aparece nas perguntas, é o do cara que coloca o ouvido no trilho do trem, para saber se ele está se aproximando, pois a propagação do som é mais rápida no sólido”.
O corpo humano
A estrutura e fisiologia dos sistemas do corpo humano será o tema de Biologia para esta semana. Segundo o professor Angelo Antonio Pavone, do Etapa, circulação e reprodução costumam ser mais cobrados nos vestibulares.
orio.jhtm">circulatório. Hormônios são candidatos a questões, parte do sistema endócrino”, comenta. A complexidade do sistema nervoso reduz suas chances de ser cobrado.
Siderurgia e explosivos
A perspectiva da Química relevante para o cidadão comum dará a tônica das perguntas dessa disciplina nos grandes vestibulares. “A química descritiva, deve ser estudada sobe essa abordagem, ou seja, não é mais cobrada a reprodução decorada das longas sequências de reações industriais de síntese ou os processos de redução usados em metalurgia mas sim a capacidade de compreender os processos químicos industriais descritos nos enunciados”, explica o professor Edison de Barros Camargo, do Etapa.
Confira um resumo elaborado por ele, sobre as substâncias que selecionamos para você estudar nesta semana:
1. ácido nítrico: obtenção a partir do nitrogênio atmosférico, uso na fabricação de adubos químicos e explosivos além da histórica pólvora chinesa.
2. Ácido sulfúrico: usado da produção de aço até as baterias de veículos.É um poderoso desidratante industrial. Seu consumo industrial é usado como índice econômico para aferição da atividade industrial.
3. Alumínio: sua obtenção consome uma energia elétrica fantástica então, o aluno deve ser capaz de compreender a importância ambiental da reciclagem.
4. Cobre: sua metalurgia é, provavelmente, a primeira a ser praticada pelos antigos. Compreender as descrições dos processos químicos de redução e purificação.
5. Ferro: estudar o funcionamento de um alto-forno siderúrgico no qual ocorre a redução do minério.
6. ligas metálicas: conhecer as composições, bronze (cobre e estanho), latão (cobre e zinco) e aço (ferro e carbono) e reconhecer a importância histórica das ligas bronze e aço.
Guerra de trincheiras
Sobre a I Guerra Mundial, em História Geral, os vestibulares costumam perguntar sobre as causas que levaram ao confronto, o que levou a Europa inteira, além de países de outros continentes a se envolverem, o que causou a morte de 10 milhões de pessoas e os resultados. A orientação é do professor Luis Ricardo Palermo (conhecido como prof. Ricardo), do CPV Vestibulares.
O nacionalismo (revanchismo da França, pangermanismo e pan-eslavismo), a política de aliança em segredo que os blocos formaram antes da guerra e a paz armada - termo referente a corrida armamentista específico para o período, são as outras causas estruturais.
"A I Guerra ficou conhecida como guerra das trincheiras, pela característica militar do confronto, com a novidade do uso de fuzis e metralhadoras" comenta o professor Ricardo.
Para o período da República das Oliguarquias, tema de História do Brasil, um dos impactos da I Guerra foi primeira tentativa de industrialização do País, para enfrentar a falta de produtos importados. Mas, segundo o professor Tiago Rozante, do CPV Vestibulares, a política interna do período é um ponto de atenção, muito cobrada nos exames.
“Trata-se da alternância do poder federal entre São Paulo e Minas Gerais, conhecida como política do café com leite”, afirma. O mecanismo pelo qual SP e MG mantinham os outros estados fora da disputa do governo federal pode aparecer nas questões. “Coronelismo, manipulação de votos e como esse efeito perdura até hoje no interior do País também são temas importantes.”


Fonte: UOL

0 comentários:

Postar um comentário