Resumo - Humor Bernardo Guimaraes

O resumo de livro serve para você relembrar, rever o que foi lido para a hora da prova. Nada substitui a leitura da íntegra do livro!

mais livros exigidos

» 

Humor e Ironias de Bernardo Guimarães - Bernardo Guimarães

                Bernardo Joaquim da Silva Guimarães é autor engajado no romantismo. Sua obra é superlativa na expressão das emoções e na exposição das sensações. 

                Alguns dos críticos literários vêem estas características como defeito: os modernistas, por exemplo, usaram A escrava Isaura, seu romance mais conhecido, para caricaturar a estética romântica e lançar o movimento de renovação das artes. 

                Outros estudiosos, ao contrário, o situam entre os mais qualificados escritores brasileiros, um autor certamente envolvido com a dicção e a temática de seu tempo, mas consciente das implicações e conseqüências daquele modelo poético e, portanto, capacitado a oferecer uma obra original e crítica. 

                Esta pequena antologia pretende mostrar exatamente este duplo aspecto quando reúne versos nos quais o humor e a ironia se destacam. Ambos, humor e ironia, categorias literárias da maior importância para o romantismo, que foram exploradas no extremo de sua sutileza por nosso poeta. 

                Em algumas composições, veremos o humor brincando com as palavras e aliviando as tensões que inspiram a atividade poética, seja imaginando as conseqüências da pseudo-inabilidade do autor na exaltação de uma delicada parte do corpo da amada, como no caso de: 

Pois se meu nariz é trombeta?
.../Oh! não mais, Sr. poeta,/
Com meu nariz s'intrometa (O nariz perante os poetas, estrofe 23), seja na crítica ao esquisito nome de uma povoação, que produz a pergunta:
 Se na sagrada escritura/
Já encontrou, por ventura, 
/Um deus que tivesse madre? 
(Parecer da comissão de estatística a respeito da Freguesia de Madre-de-Deus-do-Angu, 

                Ou, ainda, quando exercita o mais puro mundanismo e propagandeia os prazeres proporcionados pelo cigarro e pelo charuto, exaltando as suas qualidades terapêuticas e eróticas - uma posição que naquele tempo não estava comprometida pela discussão que hoje se trava quanto aos males causados à saúde pelo fumo. 

                Em outros poemas será possível encontrar a ironia no seu estado mais elaborado, produzida entre o recalque e a censura de gestos e sentimentos, recheada de significações e, portanto, pronta para causar estranhamento e emoção quando menos se esperar. 

                Este efeito pode ser visto na paródia a Lembranças do nosso amor, de Aureliano Lessa. Os versos bernardinos estão cheios de imagens grosseiras - berros da vaca do mar, mulher desejada comendo marmelada... Um contraste com o que se poderia esperar das indicações do título que, em sua epifania amorosa, alegre ou triste, não vem ao caso, seria habitualmente saudada com palavras delicadas e sentimentais. 

                Ao final do poema, entretanto, o sujeito poético não resiste, sua linguagem escrachada não consegue esconder a triste expressão de saudade e ele se mostra agradecido ao anjo da morte que afoga por amizade, Lembranças do nosso amor! (Lembranças do nosso amor, revelando que a dureza das imagens escolhidas, na verdade, tentavam manter secreto o mais romântico estado d'alma. 

                Se O devanear de um céptico (que pode ser encontrado em verbete próprio desta Biblioteca Virtual) é considerado uma espécie de síntese do romantismo por Manuel Bandeira, na medida em que estabelece um diálogo direto com a poesia de seus contemporâneos mais famosos, o mesmo se poderia dizer com respeito à Dilúvio de papel, também apresentado aqui. 

                Leia-se o prefácio da segunda parte da Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo e a defesa da ironia feita ali. Leia-se, em seguida, alguns dos seus poemas, como, por exemplo, Editor: 

            É ela! É ela! É ela! e Minha desgraça (todos existentes em nosso catálogo digitalizado) e se note a mesma dicção, o mesmo desespero e a mesma relação com as coisas do mundo pretendida pelos dois autores. 

                Embora a temática não seja necessariamente a mesma, o traço que os aproxima é o da fina ironia, que não deixa o poeta esquecer a importância da fidelidade à musa inspiradora, esteja metaforizada numa reles lavadeira ou numa imagem etérea que visita a redação de jornal onde trabalha, como jornalista, o poeta envergonhado. 

                O método para fixar os textos ora apresentados foi o da comparação entre diversas edições, tendo em vista a preocupação em trazer ao conhecimento do leitor virtual o que seriam os desejos do escritor. Com este objetivo, buscamos as primeiras edições de cada poema. 

                Foram consultadas Poesias, de 1865, Folhas de outono, de 1883, ambas editadas pela Garnier, e a antologia preparada por Alphonsus de Guimaraens Filho, para o Instituto Nacional do Livro, em 1959. 

                A pesquisa de José M. Vaz Pinto Coelho, Poesias e romances do dr. Bernardo de Guimarães, de 1885, serviu especialmente como texto de referência para os acontecimentos e circunstâncias da vida e do trabalho do nosso poeta.



Fonte: Vestibular1

0 comentários:

Postar um comentário