Resumo - Amar Carlos Drummond de Andrade

O resumo de livro serve para você relembrar, rever o que foi lido para a hora da prova. Nada substitui a leitura da íntegra do livro!

mais livros exigidos

» 

Amar se Aprende Amando - Carlos Drummond  de Andrade 

Publicado em 2001, Amar se Aprende Amando é uma coletânea, preparada por Ivan Junqueira, de poemas que Carlos Drummond de Andrade, o melhor poeta da Literatura Brasileira, produziu entre as décadas de 60 e 80, momentos finais de sua existência. 

Seu organizador seguiu uma tese clara na sua seleção: buscar textos em que o tema não estivesse ligado ao grandioso, ao metafísico, mas ao pequeno, ao cotidiano. 

Na opinião do estudioso, a qualidade do fazer poético do vate mineiro seria suficiente para dar seiva valiosíssima aos diversos textos do livro. 

De fato, Drummond tem capacidade para tanto; no entanto, há momentos em que, pelo menos na obra em questão, não se obteve tal êxito.

Não se quer dizer que a obra não tenha valor. Pelo contrário, há vários pequenos tesouros que justificam sua leitura. O que mais chama a atenção é o tom prosaico de seus versos. 

É como se estivéssemos diante de um cronista tecendo poemas inspirados pelo jornal que diariamente lê.

Dividido em três partes, a segunda, "O Convívio Ideal", mostra-se a mais fraca. É composta de poemas em homenagem a pessoas do convívio ou da admiração do poeta, como Pedro Nava, Ziraldo ou Alphonsus de Guimaraens. 

São, portanto, poesia de circunstância, o que os enfraquece. Quem está de fora do contexto pessoal, como é o caso da maioria dos vestibulandos que se debruça sobre a obra, acaba deslocado, alheio, afastado de boa parte do valor dos textos.

Ainda assim, há instantes em que o espírito do poeta mostra-se o salvador da pátria. 

É o caso de "A Kiss, un Baiser, un Bacio", em que o último termo do título estabelece uma brincadeira com o nome do homenageado, Stefan Baciu. Ou mesmo "Tintim para Luís Martins", em que se explora a musicalidade da sílaba "tim".

Aliás, aqui e ali encontram-se ousadias no trato com a linguagem, principalmente no emprego de neologismos. 

Lógico, são mais fracas se comparadas às realizadas na época de iconoclastia de Alguma Poesia, mas são dignas de nota.

Boa é a segunda parte, "Carta de Guia (?) de Amantes". Já tem em sua abertura um famoso poema, que circulou pela internet graças a uma corrente de e-mails: "Reconhecimento do Amor". 

Nele não se comemora o amor explosivo, espetacular, mas o que se mostra de forma calma, amadurecida. Essa característica fica marcada pela maneira como o eu-lírico chama sua amada: amiga. 

Essa tranqüilidade do amor fruto do convívio, não da desequilibrada paixão, perpassa todos os poemas desse trecho do livro. Até o erotismo, quando surge, em nada é chulo, mas limpo, claro, sem deixar de ser direto.

Sobra, felizmente, espaço para as elaborações poéticas. É só observar como em "Lema do Amor Romântico", em que, em meio a um andamento popular e quase folclórico das redondilhas maiores, o poeta exibe virtuosidades de linguagem e de raciocínio. Pegue-se, por exemplo, a segunda estrofe:

"Atirei um limão n'água
e caiu enviesado.
Ouvi um peixe dizer:
Melhor é o beijo roubado."

O último verso, um clichê, ganha graça pela associação que se pode fazer entre "roubado" e a maneira como o limão cai, "enviesado". 

É exercer um toque de Midas, pois a matéria simples acaba-se tornando rica.

Mas há também espaço para o tom clássico, como em "Epitalâmio". Drummond demonstra, pois, um amplo domínio poético, dando-se bem em versos brancos e rimados, metrificados e livres. 

Essa proeza vai-se mostrar sobretudo na terceira parte do livro, "Alegrias e Penas por Aí".

O próprio título dessa subdivisão carrega vários significados. A expressão "por aí" dá um ar de despretensão, de coloquialidade. 

Já "penas" tanto está ligada ao ato de escrever quanto ao sofrimento do eu-lírico ao se defrontar com os problemas de seu tempo.

Essa dor de viver seu momento é captada em "Relatório de Maio", em que os eventos ligados ao famoso maio de 68, entre "violão e violência" (note que sonoridade belíssima e inteligente), são relatados por meio de imagens fortes e ricas.

Por sua vez, o termo "alegrias" indica o tom humorístico comum em boa parte da produção do poeta. 

Aliás, a utilização desse ingrediente é responsável pelos pontos máximos do livro, principalmente nos poemas curtos, sintéticos, a lembrar os limeriques ingleses ou mesmo os epigramas, poemas-pílulas de final surpreendente, típicos do seu início de carreira e do Primeiro Tempo do Modernismo (1922-30). É o caso de "Miniversos", "Microlira" e "Textos Mínimos". Valem o livro todo.

Além desse aspecto, na terceira parte o olhar de cronista do autor assume uma nova conotação. 

Ganha um aspecto crítico ao condenar a anestesia que tomou o homem urbano, que se perdeu em ilusões inúteis, sem prestar atenção aos mais belos e verdadeiros ideais ligados à experiência de vida, no seu sentido mais puro. 

É o que percebemos em poemas que infelizmente chegam próximo do panfletário, como "Liquidação de Inverno" (a condenar o caráter descartável que nossa existência assumiu), "Conversa com o Lixeiro" (em que a típica ironia drummondiana se manifesta) e "A Excitante Fila do Feijão".

Sua visão questionadora, na realidade, pode ser enxergada como saudosista, já que prega um ideal desaparecido, em que tínhamos tempo para prestar ao que estava ao nosso redor, para aproveitar uma praça, uma rua, uma tradição. 

O que se vê hoje é um desrespeito a todos esses elementos preciosos, que tem tornado os nossos centros urbanos em anticidade, para aproveitar expressão criada pelo próprio poeta.

Em suma, Amar se Aprende Amando não é obra da altura de Alguma Poesia, A Rosa do Povo e Claro Enigma

Mas possui ainda o caráter, a verve do poeta, justificando sua leitura.



Fonte: Vestibular1

0 comentários:

Postar um comentário